Seja bem-vindo, você é o visitante número 1.401.377 do nosso site desde março/2009.

Menu Principal
Início
Apresentação
Notícias
Comentários
Agenda de Jogos
Fotos e Vídeos
Hino
Contato

Campeonatos SINDIJUS
Veterano 2021
Veterano 2019
Veterano 2018
Veterano 2017
Veterano 2016
Aberto 2015
Veterano 2015

Uma raiz contra a fúria das águas.


Publicada em: 09/03/2011 11:46
por: Hélio da Rosa Machado

                    Na sexta-feira (que não foi treze), mas com jeito de adrenalina, um grupo de amigos, entre os quais: Carlos Gete, Jorge Batista, Paulo Brum, Beto Batista e Mário Batista, começaram viagem por volta das 08 horas da manhã, enfrentando chuva desde os primeiros aos últimos quilômetros, no trajeto entre Campo Grande e Bonito.

                    Ao chegarem no destino; logo ficaram sabendo que a precipitação pluvial se fazia constante há uma semana naquela localidade. Não obstante, era preciso ter coragem para se dirigir à Ilha do Padre, embora a estrada estivesse trasitável, considerando que naquele momento a chuva tinha amenizado. Ao chegar, a insegurança tomou conta da nossa equipe, em face do visual assustador, pois as águas tinham invadido a parte mais baixa da ilha, inclusive adentrando num quiosque utilizado pelo clube como ponto comercial.

                     Algumas pontes de incursão pela margem do rio estavam inundadas, porém, a de entrada estava intacta. O local onde íamos acampar também estava seco e intocável. Entretanto ao largo, visualizamos o rio que insistia em invandir as margens. Formamos um grupo e fomos fazer as verificações de segurança. A água tinha invadido todos os diques de madeiras destinados aos banhistas. Sua margem espreitava-se quase paralela ao terreno onde íamos acampar. Entretanto, uma grande raiz resistia à invasão e mostrava-se em evidência. Foi essa raiz que nos deu segurança. Combinamos que não íríamos armar as barracas enquanto tal raiz não indicasse nossa expectativa de ver as águas baixarem. De hora em hora, vigiávamos nosso ponto de controle através daquela inesquecível raiz. Mas ela continuava esbelta e não dava indicação de que iria permitir que as águas lhe cobrissem as ancas. Caso isso ocoresse, teríamos que sair correndo, pois, tal ocorrência permitiria que a água invadisse a parte alta da ilha.

                    Entretanto, com o passar das horas fomos verificando que as águas jamais chegariam à cobertura da nossa inspiradora raiz, já que dela estavam se distanciando. Só a partir dessa constatação é que fomos armar as barracas e a curtir todos os momentos.

                    Esse dia era também de comemoração, considerando que marcava a chegada do aniversário do amigo Gaúcho - Paulo Brum. Um churrasco e muita música era a única preocupação nesse momento. Fomos dormir conscientes de que as águas não invadiariam nosso acampamento que, com o passar das horas, foi aumentando o contingentes de pessoas que vinham de Campo Grande a ponto de ficar gigantesco, como todos poderão ver nas fotografias anexas, através do visual das barracas e demais movimentações dos foliões.

                   Nada como vivenciar e acompanhar acontecimento de tal jaez, eis que passado o susto, parece que a alegria e a festa tornou-se mais animada, já que o "cagaço" (como se diz em Amambai) já tinha passado só restando a beleza encantadora daquela Ilha.

                   Quero agradecer aos amigos corajosos que estiveram presentes nesse momento e que demonstraram grande capacidade para agir perante o momento de improvisação. Não precisamos sair correndo, mas, ficou a sensação de que se isso fosse necessário, todos estavam preparados para enfrentar as adversidades.       

                    As imagens e os vídeos demonstrarão a festança nos dias posteriores depois do susto inicial. Clique aqui para conferir.                       



Imagens

A água cobriu o tablado...

A água invadindo o quiosque na parte baixa.

O aniversariante ao lado do Zé Viola depois do susto

2º dia depois do susto

Passei num raro momento de sol

Outro momento de sol

Ciganos bebendo todas

No 3º dia a água ainda passava sobre a passarela

A arara "Laura" querendo jogar vôlei.

Comentários (1)

Enviado por: Paulo Brum, em: 10/03/2011 11:47
Se com toda aquela água e umidade o acampamento foi bom demais.....imagine se tivéssemos sol esquentando as moringas de todos lá.....Não é à toa que, vergonhosamente, sobrou cerveja no último dia....E olha que o Medina chegou na sexta com os primeiros desbravadores.........

Enviar comentário


Nome:
Comentário:
Código de verificação:  
(digite os números que aparecem na imagem ao lado do campo)