Seja bem-vindo, você é o visitante número 1.295.260 do nosso site desde março/2009.

Menu Principal
Início
Apresentação
Notícias
Comentários
Agenda de Jogos
Fotos e Vídeos
Hino
Contato

Campeonatos SINDIJUS
Veterano 2019
Veterano 2018
Veterano 2017
Veterano 2016
Aberto 2015
Veterano 2015

Essa 'senhora' não é bem vinda.


Publicada em: 14/02/2012 15:20
por: Hélio da Rosa Machado

                   Os contos ficam na imaginação popular.

                    Dias desses viajando pela internet deparei com um site que explorava assuntos de psicologia. Achei boas matérias que tratavam sobre a vida cotidiana das pessoas, através da odisséia existencial, na qual deparamos com dramas e com dificuldades de toda ordem.

                    Deparei com a descrição teatral de seres desencarnados que tiveram uma conversa informal num momento qualquer.

                    Esse conto de outro mundo reflete um vício de personalidade que, às vezes, é comum em alguém encarnado.

                    Veja:

 

UM CONTO DE OUTRO MUNDO

(Hélio da Rosa Machado)

 

Numa conversa informal na seara dos desencarnados, foi assim que uma senhora, na sua calma residência, em companhia de um garotinho sereno, recebeu outra senhora, que chegou sem convite. A  visitante se chamava INVEJA.

 Conversa vai, conversa vem, quem se apresentou de forma mais desdenhosa foi a criatura multifacetada, difícil de ser descrita, pelo grande poder de simulação que usava.  - Vocês querem saber qual é a minha identidade? - Eu me orgulho por ser poderosa. Em tom solene e arrogante se apresentou: - EU SOU A INVEJA e faço parte da história do homem desde sua aparição e desde os tempos bíblicos. Já provoquei muitos estragos diz a estranha criatura, que ostentava uma coroa de ouro cravada de diamantes, braceletes de brilhantes, roupas recamadas de pedras preciosas, assemelhando-se a uma princesa rica e poderosa. Dizia também: - Não poupei os irmãos Caim e Abel e até os fundadores de Roma, Rômulo e Remo, que por minha causa houve morte.

Em face da revelação, indagou à senhora: - Se és tão rica e bonita e parece ter tudo o que desejas, porque praticas tantas maldades?

 Reponde-lhe a Inveja: - Há os que são ricos, os que são poderosos, os que são famosos e os que não são nada disso, eu estou sempre no meio deles, porque fico muito molestada onde há felicidade, amor, harmonia e como urubu na carniça me alegro onde existe o sofrimento a amargura e a desarmonia. 

Esse diálogo franco demonstrava que apesar de todo o seu aparato, aquela visitante era a mais tenebrosa, rancorosa e falsa dos invasores. No ímpeto da sua inquietude para praticar o mal, e por não querer ver ninguém feliz, um inocente garoto que brincava alheio a tudo o que estava acontecendo nem sequer notou sua presença. Entretanto, a inveja,  fazendo de conta que não se apercebera da criança brincando, esmaga o seu inocente brinquedo e diz: - Não gosto de ver alguém melhor do que eu, pois que nesse instante eu queria ser uma criança para poder brincar placidamente, como esse menino e não posso por não ser mais criança.

Algumas luzes apareceram, trazendo mansidão ao insólito diálogo, como interferência dos juízes do Universo, pra indagar sobre quem era para sair daquela residência.

A resposta foi dura e inquestionável: - Queremos que a inveja saia imediatamente, pois, ela não é bem vinda neste ambiente de pessoas serenas.

 O menino, com ar severo e com a voz forte de um orador experiente diz: - Oh! tenebrosa inveja, que aparentas jovialidade e bondade, porque tens o dom de enganar, saia dessa casa pois que nem diante da grandeza de Deus  você consegue portar-se com dignidade, cobiçando o seu poder.

 Os invejosos sentem o seu orgulho ferido quando vêm o sucesso, não encarando o sacrifício que foi feito para alcançá-lo e procuram assim mesmo destruí-lo.

 A Inveja exalava um cheiro de enxofre e as criaturas que sofreram com a sua presença saíram todos sem olhar para trás, e ao baterem a porta, um fulminante raio de luz invadiu o recinto.  A senhora e a criança desintegraram-se.

 Diz a lenda que eles viraram Anjos. A inveja desapareceu por algum tempo à procura de alguém promissor, em cuja residência, pudesse chegar sem ser convidada e distribuir desarmonia.

FIM.

 (Adaptação do trabalho publicado no site Psicologia.or. br)



Imagens

O percentual de inveja é grande...

Comentários (0)

Enviar comentário


Nome:
Comentário:
Código de verificação:  
(digite os números que aparecem na imagem ao lado do campo)