Seja bem-vindo, você é o visitante número 1.401.025 do nosso site desde março/2009.

Menu Principal
Início
Apresentação
Notícias
Comentários
Agenda de Jogos
Fotos e Vídeos
Hino
Contato

Campeonatos SINDIJUS
Veterano 2021
Veterano 2019
Veterano 2018
Veterano 2017
Veterano 2016
Aberto 2015
Veterano 2015

No Ritmo Rural


Publicada em: 01/08/2012 07:57
por: Hélio da Rosa Machado

A equipe de redação do site Mão na Taça esta de férias das suas atividades laborais junto ao Tribunal de Justiça, daí a razão de as matérias estarem um pouco escassas em nosso espaço vi rtual.

Entretanto, este redator continua a escancarar suas aventuras nesses 20 dias de descansos.

Recentemente todos viram que os peixes do rio aquidauana estavam incomodados com minha presença nas cercanias de seu habitat natural, já que não estavam podendo comer à vontade, visto que os menos avisados poderiam degustar meus apetitosos ingredientes utilizados como iscas e, pelo descuido, acabar numa panela de ensopado.

Pois é. Desta vez os peixes que se viram incomodados foram aqueles que nadam despreocupados nas águas serenas do rio brilhante, da cidade de mesmo nome. Lá estava eu, em visita a um tio (irmão do meu pai), que me levou para conhecer suas instalações pesqueiras. Aproveitei para molhar a minhoca naquelas águas frias de arrepiar. Não tive o sucesso almejado nas abundantes águas daquele leito calmo e brilhante, mas, em contrapartida ataquei de açude, onde consegui colher bons exemplares do peixe tilápia. Deu uma boa fritada que foi degustada com alguns goles de skol. Não muitos, já que ali só eu era adepto das loirinhas geladas.

A diversão também me levou a aventurar-se em cima de um trator. A época do ano rareia os pastos e o gado tem de ser alimentado de uma forma menos convencional. Foi aí que fui parar na boleia de um enorme trator traçado e de grande força motora. Sucede que meu tio tem umas invernadas onde ele plantou um capim de reserva e que hoje é o único que está crescido e com folhas abundantes. É dali que ele colhe, através do seu trator e de sua colhedeira extravagante o alimento do gado.  Os vídeos poderão ilustrar essa vida cotidiana no campo e que requer muito esforço e muito empenho, tal qual às nossas atividades futebolísticas. Ou seja, nós brincamos de jogar bola e ele brinca de colher capim.

Fiquei impressionado com as alternativas que os criadores de gado possuem para driblar a carência de chuva e o frio desta época do ano. Cada um com o seu mister e sua capacidade para produzir e ganhar o pão de cada dia. Não é nada fácil. Sai dali satisfeito com a minha atribuição já que não preciso de tanto esforço físico para ganhar meu  sutento. O homem do campo merece nossos aplausos e nossas considerações, especialmente aqueles produtores de pequeno porte, já que as dificuldades são muitas.

Vocês poderão acompanhar pelos vídeos como é colher o capim todo santo dia e depois depositá-lo em frente à boiada que, tão acostumada com aquilo, ao verem o trator, saem ligeiro em direção ao local onde o capim será depositado.

Em breve voltarei à nossa Arena Esportiva para informar aos nossos amigos virtuais o que anda acontecendo por lá e o que anda fazendo a nossa gloriosa “Bancada da Bola”.

Aliás, na próxima quinta-feira desta semana esta marcada uma churrascada depois do futebol. As donas patroas devem relevar o horário de chegada dos atletas em casa, visto que nessas noites, geralmente, o alvará deve ser mais longo.



Vídeos

baixe o Flash Player para ver o video.
Colhendo o capim

baixe o Flash Player para ver o video.
Trator saindo para o campo

baixe o Flash Player para ver o video.
Máquina trabalhando para descarregar o capim

baixe o Flash Player para ver o video.
Descarregando e vacas se deliciando.

Comentários (1)

Enviado por: Hélio , em: 01/08/2012 14:32
Fora o choque que tomei num arame eletrificado, o resto foi moleza, pois só andei na boleia do trator para fazer a filmagem acima.

Enviar comentário


Nome:
Comentário:
Código de verificação:  
(digite os números que aparecem na imagem ao lado do campo)