Seja bem-vindo, você é o visitante número 1.074.418 do nosso site desde março/2009.

Menu Principal
Início
Apresentação
Notícias
Comentários
Agenda de Jogos
Fotos e Vídeos
Hino
Contato

Campeonatos SINDIJUS
Veterano 2018
Veterano 2017
Veterano 2016
Aberto 2015
Veterano 2015

Opinando.


Publicada em: 30/08/2012 16:53
por: Hélio da Rosa Machado

                Caros internautas:

                 Nosso site também tem interesse em falar sobre Campo Grande, afinal, é aqui que vivemos e tudo que diz respeito à Cidade Morena interessa a nós como cidadãos.

                 Assim, segue matéria que fala sobre uma questão importante para nossa Capital:

 

O interesse público.

(Hélio da Rosa Machado)

 

Uma notícia estampada hoje no site Diário Digital de nossa querida Campo Grande chama a atenção em face de uma questão jurídica que oscila entre o interesse público e o interesse histórico sob algumas árvores que ostentam o cenário verde da Av. Afonso Pena.

Sucede que o Prefeito Municipal Nelsinho Trad, atendendo boa parte da população pobre desta Capital, estava executando obras nos canteiros centrais da Av. Afonso Pena, com o fim de construir ciclovia que pudesse atender àqueles que, por circunstâncias sociais e econômicas, não podem transitar pela via pública, por não terem condições de adquirir um veículo automotor.

O Ministério Público Estadual embargou as obras, sob a justificativa de que as árvores da Av. Afonso Pena vão passar por um procedimento administrativo de tombamento, sendo certo que enquanto isso não acontecer a Prefeitura Municipal não pode utilizar os canteiros, para fazer alterações no seu contexto original, afinal, o tombamento exige que a coisa seja registrada tal qual a sua constituição original. Aliás, caso prevaleça essa vontade administrativa de tombamento a ciclovia ficará inviabilizada para sempre, dependendo das condições em que essa providência será especificada, visto que o tombamento requer a perpetuação do bem conforme sua originalidade.

Penso que a questão deve ser discutida com a sociedade, para que a municipalidade possa aquilatar o que é mais interessante para a população, se um tombamento de árvores centenárias que com o tempo, fatalmente, vão se tornar desgastadas pelas intempéries, ou se a construção de uma via alternativa para os ciclistas, mantendo-se as árvores onde estão.

Achei interessante o projeto que está em vias de ser executado pelo Prefeito Nelsinho Trad, visto que sua ideia é tornar Campo Grande semelhante à Bogotá, na Colômbia, onde o poder público criou vias alternativas de trânsito, onde os ciclistas podem circular à vontade com suas magrelas, sem prejudicar o trânsito dos veículos e também evitando os inúmeros acidentes.

Não sei por que, mas sempre tive esse sonho de ver Campo Grande cheio de ciclovias. Se hoje as motocicletas tomam conta das avenidas, por que não as bicicletas que são mais baratas e podem servir à população mais pobre?

Quem já experimentou andar de bicicleta no centro de Campo Grande sabe o quanto é difícil e perigoso. Hoje, a construção civil é a que mais abriga trabalhadores que usam a bicicleta como transporte. Assim, depois das 17 hs é incrível o tanto de bicicletas que observamos fazendo manobras perigosas no sentido de terem fluência na sua trajetória, já que o trânsito se vê atrapalhado com esse tipo de transporte. A dificuldade é tanto para os motoristas dos veículos, como para os ciclistas, já que a via pública não é feita para o trânsito lento da bicicleta.

Sinceramente, eu acho lindas as árvores da Av. Afonso Pena, especialmente se observarmos sua resistência por tantos anos. Mas, convenhamos, numa cidade que cresce como Campo Grande, há que se pensar em curto prazo em vias alternativas de trânsito. Querendo ou não, a bicicleta, quando tiver via própria, poderá ajudar as pessoas a se locomoverem com maior facilidade no centro da cidade. Aliás, recentemente, vi uma reportagem no sentido de que alguns paulistas estão usando a magrela para se deslocarem para suas empresas já que o trânsito relativo aos veículos automotores se tornou quase insuportável.

Enfim, é hora de as autoridades usarem o bom senso e deixarem de transigir sobre algo que diz respeito ao interesse público. As árvores podem ser plantadas através de plantio planejado de forma que possam embelezar, mas que não atrapalhem a dinâmica de uma cidade que cresce.  Elas podem até ficar onde estão até suportarem mais alguns anos de existência, mas, não podem atrapalhar algo que vai gerar bem-estar para o povo.

Meu ponto de vista, sob censura.



Imagens

A foto mostra pequenas escavações com o fim de construir a ciclovia...

Comentários (2)

Enviado por: Cidadão Campo-Grandense, em: 31/08/2012 11:28
É direito de todo cidadão ir e vir, seja à pé-bicicleta,moto,carro, etc. O que chama mais a atenção nesse caso é que recentemente a Av. Afonso Pena passou por restauração ( foram investidos milhões) e será que não foi pensado nisso? Apenas agora querem fazer essa adaptação? Olha o nosso dimdim ai!!!!

Enviado por: Cidadão Sul-matrogrossense, em: 31/08/2012 22:56
Quando este projeto,for concluído,vai ficar ótimo para os ciclistas e motoristas em geral.Uma cidade,que esta crescendo rapidamente,tem que ter alternativas de transportes rápidos,para a população e essa sera uma ótima opção, não somente,para as pessoas mais humildes,como tbm,para as pessoas,que trabalham no centro da cidade,podendo se locomover através das "magrelas",descongestionando o transito e diminuindo automaticamente a poluição gasosa e sonora em nossa capital.

Enviar comentário


Nome:
Comentário:
Código de verificação:  
(digite os números que aparecem na imagem ao lado do campo)