Seja bem-vindo, você é o visitante número 1.109.862 do nosso site desde março/2009.

Menu Principal
Início
Apresentação
Notícias
Comentários
Agenda de Jogos
Fotos e Vídeos
Hino
Contato

Campeonatos SINDIJUS
Veterano 2018
Veterano 2017
Veterano 2016
Aberto 2015
Veterano 2015

O ORGULHO DE TER ME TORNADO CAMPO-GRANDENSE.


Publicada em: 29/03/2013 10:12
por: Hélio da Rosa Machado

Às vezes alguém deve se perguntar, quando me refiro à minha cidade natal que é Amambai, o porquê de eu tanto salientar essa minha origem, considerando que todos me conhecem como campo-grandense, já que é aqui que me radiquei?

O fato é que vivo mais tempo em Campo Grande do que vivi em Amambai. Assim, considero-me mais campo-grandense do que amambaiense. Aliás, já oficializei a paixão de ser desta Capital, através do reconhecimento que me foi ofertado, gentilmente, pelo nosso Vereador Athayde Nery de Freitas, a quem agradeço de coração pelo título a mim dedicado.

Diante disso, Amambai não passa de uma singela lembrança de minha infância. Quem não tem saudade dos tempos de guri? São momentos em nossas vidas que ficam marcados na lembrança, por que foram vividos intensamente, através das molecagens e outras facetas que ficam eternizadas graças aos ousados vínculos com nossa infância.

Mas, é aqui em Campo Grande que me tornei um homem verdadeiro. Foi aqui nesta Capital que tive as primeiras noções de responsabilidade, ao acumular compromissos com o futuro, ao ter que trabalhar ao mesmo tempo estudar. Era uma vida difícil, mas compensatória, visto que além de eu estar me aprimorando no caráter, estava conquistando aos poucos um espaço social perante a comunidade em que eu me relacionava.

Foi no Poder Judiciário, através de meu ingresso no Fórum situado na Rua 26 agosto, trabalhando com pessoas de eminente acesso ao mundo jurídico que fui construindo meu conhecimento empírico em torno das atividades judiciárias e das teorias do direito como um todo.  Posso citar entre estes dois saudosos expoentes que já se despediram da vida carnal que são: Carlos Gilberto Gonzales e Assis Pereira da Rosa, o primeiro era o cartorário em que eu era subordinado e outro era o magistrado para quem eu assistia como membro de um Cartório Criminal.

A constância dos diálogos e a vida que eu passei a desenvolver com as atividades judiciárias levaram-me a mudar minha ótica sobre o meu futuro, já que no início eu pensava em ser engenheiro ou algo do gênero. Entendi que meu caminho estava sendo desenhado através do primeiro emprego que tive aqui em Campo Grande. A grande Morena me incentivou a crescer com aquilo que eu ganhei logo que aqui cheguei que era o meu primeiro emprego. Foi nesse ritmo e deixando a vida me levar, que cheguei à conclusão que deveria cursar a faculdade de direito. Passei no vestibular em 1980. Na época também passei em um concurso da Polícia Federal. Não quis ir trabalhar como policial, porque tinha outros planos que era continuar no Poder Judiciário. Deu no que deu. Formei-me e o cargo me levou a inúmeras funções no Tribunal de Justiça, até que fui servir um Gabinete, Lá fiquei por 15 anos. Incorporei meus salários nesse patamar.

Hoje, em vésperas de adquirir direito à aposentadoria integral (janeiro.2014), não tenho a mínima pretensão de me afastar das lides ou de minhas atribuições como assessor no campo jurídico. Eu executo minhas funções com prazer e com satisfação. Faço o que gosto, por isso não quero me aposentar com apenas 56 anos de idade. Acho que ainda posso contribuir para que o as demandas permaneçam céleres e com a certeza de que a conclusão seja amparada na melhor exegese. Assim, minha pretensão não é de aposentar-me para que sobre mais tempo para eu deliciar-me com as pescarias. Creio que o lazer é mais gostoso quando curtimos em pequenas dosagens.

O fato é que cheguei aos meus 35 anos de serviço público e ainda não adquiri direito integral à aposentadoria porque não tenho a idade especificada na lei. Mas, orgulho-me de ter servido todos esses anos ao Poder Judiciário de Campo Grande-MS.  Foi, aqui, vendo a Justiça crescer e tornar-se o exemplo que é hoje, toda aparelhada com o processo digital, que aprendi a conviver e a admirar meus companheiros auxiliares do Poder Judiciário. Foi assim que me tornei cidadão campo-grande, ou seja, caminhando junto com todos que contribuem para o bom andamento da Justiça.

A parte mais gratificante, porém, foi o ensejo de ter construído, juntos com muitos outros valiosos companheiros, a história de nossa categoria do funcionalismo, especialmente, daqueles que labutam nas serventias do Poder Judiciário. Fui um dos primeiros presidentes da gloriosa ASPJMS e junto com a FEDERASUL nos anos de 85 e 86 fizemos o maior movimento sindical que os servidores público já conheceram.

Ajudei a construir e mantive atuante, por muitos anos, a parte esportiva tanto da ARTJMS, como da ASPJMS e do atual SINDIJUS. Erradiquei-me no futebol amador desta Capital por anos a fio. Junto com companheiros de grande valor idealizei e executei por muitos anos os campeonatos internos realizados em nossa Arena Esportiva, isso desde os idos de 1989. Vários eventos esportivos foram realizados que hoje deixam a história registrada em nossos quadros de vencedores estampados na galeria de nosso clube social.

Enfim, não posso me considerar cidadão com outra paixão que não seja a de bater no peito e orgulhar-me de ser um cidadão campo-grandense.

Foi aqui nesta Morena que fiz com que tudo valesse a pena. É nesta urbe de encantos que ainda luto tanto. Para que as pessoas se juntem numa sinfonia de cantos. Cantando as coisas desta Cidade. Onde tudo acontece com lucidez. Sem hora nem vez. Mas, com muita intensidade. Além de todas as belezas naturais. Que se misturam entre a flora e a fauna. Em cenários sem iguais. Com a união dos bichos e das matas. Em parque sem poderes. Que são comandados pelos povos. E não pelos que acumulam tais deveres. Essa é minha Capital de todos nós. Que vive no meu coração e de nossos avós. Por isso tenho orgulho de ser campo-grandense. Por que aqui tudo me pertence.



Imagens

O orgulho de ter em mãos o título de cidadão campo-grandense.

Comentários (2)

Enviado por: Emerson Morilho, em: 29/03/2013 11:26
Parabéns Hélio Machado eu também tenho muito orgulho de morar na cidade morena - Campo Grande / MS

Enviado por: Osvaldo - Sindijus, em: 29/03/2013 13:24
Acredito que, antes de ser uma homenagem, o título de cidadão campograndense é um reconhecimento por toda contribuição prestada por esse exemplar ser humano chamado Hélio Machado. Como todo ser humano tem suas virtudes, seus méritos, seus pequenos defeitos e, sobretudo, sua vontade de ser destaque no meio em que convive. Neste mister, o Hélio conseguiu se destacar tanto outrora como atualmente, já que é um dos poucos expoentes do Poder Judiciário de nosso Estado, que permanece fiel às suas origens, tanto naturais (homenageando a sua Amambai), quanto permanecendo sindicalizado ao Sindijus-MS, apesar de todos os percalços pelos quais passamos nesses 35 anos de existência como associação (ARTJMS e ASPJMS) e, agora, Sindicato. Parabéns Hélio, por sua postura, por seus exemplos e pelas conquistas realizadas no decorrer de sua carreira. Antes de ser uma auto-exaltação, o texto ora publicado nada mais é que uma mini-biografia de um trabalhador do Judiciário que, como a grande maioria de nossos trabalhadores, gosta do que faz e jamais abandona seus princípios!

Enviar comentário


Nome:
Comentário:
Código de verificação:  
(digite os números que aparecem na imagem ao lado do campo)