Seja bem-vindo, você é o visitante número 1.160.566 do nosso site desde março/2009.

Menu Principal
Início
Apresentação
Notícias
Comentários
Agenda de Jogos
Fotos e Vídeos
Hino
Contato

Campeonatos SINDIJUS
Veterano 2018
Veterano 2017
Veterano 2016
Aberto 2015
Veterano 2015

O declínio de nosso futebol profissional.


Publicada em: 27/07/2014 21:44
por: Hélio da Rosa Machado


Muito se tem falado sobre o declínio de nosso futebol. Alguns creditam nosso fracasso na Copa do Mundo ao técnico Felipão. Outros, mais atentos e conscientes com a nossa realidade têm observado que é a nossa ‘safra’ de craques que está em extinção. Já os mais críticos colocam a culpa exclusivamente nos jogadores, preferindo que a ‘pecha da humilhação’ recaia sobre a instabilidade emocional de nosso selecionado.

A meu ver o fracasso do futebol Tupiniquim não se deve aos técnicos brasileiros. De nada adiantaria trazer um técnico estrangeiro, pois não temos matéria prima de qualidade que é o jogador. A CBF é que tem se encarregado de contribuir para a decadência de nosso futebol.

Conclamo àqueles que gostam do futebol que se atenham às equipes que disputam a primeira divisão de nosso Campeonato Brasileiro, já que jamais na história foi preciso que tantos estrangeiros fizessem parte desses elencos. Hoje, permite-se que até cinco atletas de outros países figurem em um time que disputa o Brasileirão. Por que isso está acontecendo? Alguns fatores devem ser computados nessa necessidade de ‘enxerto’. Entretanto, o mais importante deles é a falta de jogadores de qualidade.

Tanto é assim que a gente fica torcendo para que Ronaldinho, Diego, Kaká, Robinho e outros jogadores que estejam em fim de carreira sejam repatriados para que nossos times sejam reforçados com atletas de melhor qualidade técnica. Essa aspiração é o ponto indicativo mais evidente para se chegar à conclusão de que já não temos mais jogadores à altura de uma seleção brasileira que possa ter sucesso em competições internacionais.

O próprio Santos Futebol Clube (que tem o hábito de revelar craques) continua apostando na juventude e nos atletas da base. Creio que no Brasil (hoje) é o time que possui o elenco mais cheio de jogadores da base. Não obstante, depois da saída de Neymar não há como apontar no time qualquer outro jogador que seja ‘fora de série’. São jogadores comuns que jogariam em qualquer time, mas com qualidade técnica limitada.

Outro ponto que me preocupa no futebol brasileiro é a proliferação dos chamados ‘empresários de atletas’. Estes é que estão acabando com a nossa safra. Como eles visam ‘encher seus próprios bolsos’ nem sempre dão importância para a nossa característica de produzir jogadores de habilidade comprovada. Eles ficam percorrendo o país atrás de meninos em tenra idade que exibam algum talento. Apostam em tais atletas. Fazem investimentos na infância de tais jogadores e esses jovens ficam reféns de contratos que nem sempre são interessantes para o nosso futebol interno. Muitos desses jovens se perdem pelo caminho, visto que em face da precária visão cultural o ser humano se deixa levar pela ilusão de uma vida de sucesso e acaba se frustrando depois de alguns tropeços.

Neste momento a CBF contratou como coordenador técnico um desses empresários. Gilmar Rinaldi é conhecidamente um agenciador de jogadores profissionais. O que se pode esperar em nossa seleção é mais decepção pela frente. O Dunga é muito amigo de Gilmar e certamente irá convocar alguns nomes a pedido do coordenador. Esse caminho é o pior possível para nossa seleção.


Imagens

Não confio nessa dupla.

Comentários (1)

Enviado por: Tula, em: 01/08/2014 12:06
Bela matéria Machado. Precisamos de uma renovação que comece na CBF e consequentemente nos escalões abaixo. Foi à época em que o futebol era um esporte propriamente dito, agora é negócio, dinheiro; e onde existe dinheiro, política há uma grande chance de haver corrupção.

Enviar comentário


Nome:
Comentário:
Código de verificação:  
(digite os números que aparecem na imagem ao lado do campo)