Seja bem-vindo, você é o visitante número 1.073.622 do nosso site desde março/2009.

Menu Principal
Início
Apresentação
Notícias
Comentários
Agenda de Jogos
Fotos e Vídeos
Hino
Contato

Campeonatos SINDIJUS
Veterano 2018
Veterano 2017
Veterano 2016
Aberto 2015
Veterano 2015

Deu Brasil e Inglaterra na final


Publicada em: 16/06/2013 07:41
por: Hélio da Rosa Machado

Ontem, enquanto assistia ao jogo do Brasil e via nossa seleção Canarinho mostrar um futebol até que convincente diante do selecionado do Japão também notava que caiam as primeiras gotas de chuva e imaginava que São Pedro não ia dar trégua na semifinal do Vetera/2013.

De fato, depois que acabou o jogo do Brasil, coloquei um bom guarda-chupa dentro do carro e fui ver o que estava acontecendo dentro de nossa ARENA ESPORTIVA.

Lá cheguei abaixo de chuva e a primeira partida da tarde ainda era disputada sob um aguaceiro de fazer inveja a qualquer nordestino carente de chuva. Fiquei logo sabendo que a Holanda, talvez ressentindo o estado do gramado não conseguiu manter o favoritismo tão decantado perante a galera que a colocava em melhores condições graças à sua performance na fase classificatória. Entretanto, a Inglaterra vinha de uma ascendente já que aos poucos foi crescendo dentro da competição. Fiquei sabendo que apesar do mau tempo a partida foi muito disputada e os dois times correram incessantemente atrás de um bom resultado desde o início da partida, mas era a Inglaterra quem estava destinada a chegar á grande final, visto que mesmo seu atleta menos badalado (José Alberto) foi quem fez uma bola perdida ir parar nos pés de Douglas que concluiu para as redes. Esse foi gol foi só um detalhe de que a sorte imperava em favor dos ingleses. O árbitro apitou o final da partida e o placar estava em 3 X 2 favorável á Inglaterra. Os holandeses ficam tão ‘desarmados’ com a derrota que não se via nenhum deles depois da partida para que pudéssemos nos informar o que havia acontecido dentro de campo.

No segundo jogo foi a equipe do Brasil quem encontrou dificuldades para abrir o placar contra a Alemanha. Sucede que a equipe alemã entrou em campo decidida a honrar sua camisa. Estava bem postada no meio de campo e não deixava a equipe Canarinho evoluir no ataque. Aliás, o Brasil sentiu a ausência de seu principal atacante, o Marcinho. O Valdir ficava isolado no ataque e se tornava presa fácil para a defensiva alemã. Enquanto em algumas jogadas isoladas a equipe da Alemanha vinha para o ataque com o Matosinho, mas não conseguiu superar a boa defesa adversária. O jogo ficou empatado até a segunda metade do segundo tempo, quando o atleta Alfinete, cobrando uma falta, chutou em direção à pequena área e a defesa alemã se atrapalhou deixando a bola quicar no chão enganando o goleiro Paulo Barbosa. A partir daí observamos outro cenário tático. Era a equipe da Alemanha quem encurralava o Brasil na sua defesa. Tanto atacou que em um determinado momento a bola também foi parar sob as redes da equipe Canarinho. O jogou terminou 1 X1 e estabeleceu-se pequena polêmica, visto que o regulamento foi alterado permitindo cobranças de pênaltis, sem prorrogação. Os pênaltis foram muito bem batidos até a última cobrança que seria protagonizada pelo estreante Cairo. Ele chutou a bola a meia altura bem perto do goleiro Jô. Era aí que morava o perigo já que Jô tem se destacado na competição. Com isso o Brasil foi para o abraço, já que estava classificado para a grande final.

Em todo caso as duas partidas da semifinal demonstraram que nessa fase derradeira não tem favorito. O jogo depende de uma série de fatores. Organização tática. Raça. Empenho como grupo. Resistência física. Presença de todos os atletas de melhor nível. Ausência e erros fatais. Enfim, no final de tudo o que vale mesmo é a raça e a disposição no sentido da entrega dos jogadores dentro de campo. Foi o que observamos no final da partida entre Inglaterra e Holanda. Observamos também, essa mesma dinâmica durante todo o jogo entre Alemanha e Brasil.

Estão de parabéns os finalistas.

Estão de parabéns os jogadores que souberam valorizar a conquista.

Vamos torcer que a final seja o mesmo reflexo da semifinal, ou seja, jogadores se empenhando ao máximo, mas, respeitando as regras do jogo, sem truculência, sem ofensas pessoais que possam macular o bom andamento da partida.

Até sábado que vem. Vou estar lá para registrar os melhores momentos e depois vou participar da turma que irá fazer o entretenimento musical. 



Imagens

Inglaterra comemorando o final do jogo contra a Holanda.

Fabão cornetando o Reneu. Ele dizia: - Chega de você chegar na final! - Agora sou eu, exclamava o Fabão em tom irônico...

Equipe do Brasil em momento tenso. Eles aguardavam a conclusão dos pênaltis. No final tudo deu certo...

Certo momento do stress do jogo.

Guima correu muito, mas desta vez vai ter que se contentar com a disputa do terceiro lugar.

Hora de 'cornetar' aqueles que perderam o jogo.

Japa Marcelo e Edir serviram um puxerão depois da rodada.

Galera pedindo a saideira.

Aldo macambúzio com a derrota.

Comentários (0)

Enviar comentário


Nome:
Comentário:
Código de verificação:  
(digite os números que aparecem na imagem ao lado do campo)